O que leva os alunos a abandonar o Ensino Médio?

Escrito por Carina Fragozo
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em recente pesquisa realizada pelo Instituto Unibanco, 3.365 estudantes foram entrevistados a fim de investigar-se os motivos que levam alunos de Ensino Médio (EM) a abandonarem a escola, sendo 2.765 alunos de escolas públicas em MG e 600 jovens que haviam largado os estudos entre 2006 e 2009.
Os resultados não são novidade, mas não deixam de impressionar. Seguem alguns aspectos relacionados ao abandono do EM:
– Ter luz em casa aumenta as chances de permanência em 234%
– A gravidez amplia o risco de abandono em 352%
– Cada ano gasto a mais no decorrer do EM aumenta em 77% as chances de desistência.
Além disso, muitos alunos mencionaram fatores como a dificuldade em conciliar trabalho e estudo como uma “pedra no caminho”. 
Apesar da expressividade desses resultados, tais aspectos parecem ser mais voltados aos problemas socio-econômicos do país como um todo. Entretanto, em outra parte da pesquisa, fica mais claro o que os alunos esperam de nós, professores:
– 48,8% dos alunos cursantes revelaram que, quanto mais o professor enche o quadro de matéria, mais vontade eles tem de sair.
– Apenas 35,9% dos alunos cursantes afirmaram que a maioria dos seus professores se preocupa em esclarecer dúvidas das matérias ensinadas. 
A pesquisa ainda apontou o que os jovens esperam da escola:
– Que seja atrativa, agradável e acolhedora
– Que as aulas sejam dinâmicas, com professores capacitados para o uso da internet
– Que seja criado um espaço de diálogo entre gestores, professores e alunos para que novas ideias surjam e para que haja interesse e permanência na escola.
A partir dos resultados da pesquisa, é preciso que nós, professores, pensemos sobre o que podemos ou não fazer para atrair os alunos para as escolas. Um dos aspectos discutidos na pesquisa, e que eu concordo plenamente, é a atual “avalanche curricular”. Acredito que nem Einstein poderia aprender o bombardeio de matérias escolares propostas nos currículos atuais. Com isso, disciplinas importantes como a língua estrangeira (sim, puxei a sardinha para o meu lado), acabam tendo apenas 50 minutos semanais, o que dificulta muito a aprendizagem eficaz. A proposta seria ENSINAR MENOS para APRENDER MAIS. 
Além disso, é essencial que os professores contextualizem o conteúdo escolar, mostrando a utilidade do que se aprende na escola. Muitas vezes, o que a escola ensina acaba não sendo relacionado com a vida do aluno e isso tende a distanciá-lo da escola.
É possível, também, que os professores convençam os alunos sobre a eficácia dos estudos. De acordo com a pesquisa, vislumbrar que o estudo lhe trará melhores oportunidades na vida aumenta em 50% as chances de permanência do aluno na escola. Assim, podemos apontar exemplos de jovens da mesma classe social dos alunos que, através do estudo, obtiveram sucesso na vida.
Enfim, é fundamental que os professores percebam que a atual realidade de ensino impõe que sejamos capazes não apenas de ensinar conteúdos, mas de formar cidadãos críticos capazes de refletir sobre seu próprio aprendizado. 

Veja também...

se aprofunde ainda mais no inglês!

Entre agora na lista de espera para a próxima turma do meu curso online!